Só acontece comigo #1

Tem dias - quase todos - em que eu pergunto o que me faz levantar de uma cama confortável e quentinha todas as manhãs pra ir trabalhar, porque quanto mais os dias passam, mais eu me arrependo de tal ação.

Mais um dia na cidade de Townsville de trabalho no shopping, ah meu tão amado shopping! E lá estou eu, distraída dentro de uma loja resolvendo o que eu tinha que resolver, até que:

- Moça?

Não parei de fazer o que já fazia porque quando é que eu ia pensar que o "Moça?" estava sendo referido a mim?

- Moça?

Eu já desconfiando que era comigo mesmo que o tal ser falava olhei disfarçadamente.

- Moça? - e então eu decido ceder e me viro na maior das boas intenções - Sabia que você parece a Taylor Swift?


Obs: a criatura falou algo como "TÊILU SUIFITI".
A vida, ela me cansa.

Tudo o que eu preciso falar sobre Um Dia.








"Você pode passar a vida inteira sem perceber que aquilo que procura está bem na sua frente."

Eu não sei se isso é uma resenha, na verdade é mais o conjunto em palavras de tudo o que eu senti depois de ler esse livro, mas a gente fala que é resenha que é pra ser pop. 

Essa é a resenha mais longa que eu já escrevi, se vocês não estiverem com paciência pra ler dessa vez eu vou entender. Mas pode ser que eu não entenda e depois reclame que ninguém leu minha resenha.

Eu sinceramente não sei porque comprei esse livro. A gente já nem vê mais resenhas dele (porque o mundo foi dominado por milhares de pessoas jurando que A Culpa é Das Estrelas é o melhor livro do mundo e todo mundo só sabe fazer resenha dele) mas um belo dia eu estava lá na Saraiva querendo encontrar alguma coisa que prestasse, já estava quase indo procurar livro escolar pra ler, ai eu vi a capa de Um Dia e achei a foto muito bonita. Nem é tão bonita assim, mas me chamou a atenção. Peguei o livro, abri o livro, virei o livro, joguei o livro pro alto (mentira gente), calculei o peso dele em uma mão só pra saber se era um livro de metrô - mas Tatiane o que seria um livro de metrô? Livro de metrô é aquele livro que apesar de você estar com um pé na frente, outro atrás da perna de outra pessoa, um braço tentando sustentar o corpo inteiro e outro segurando o livro ainda consegue lê-lo, dúvidas me digam nos comentários que tento explicar de novo - e finalmente decidi ler as opiniões sobre ele na contracapa, quando dei por mim já tinha lido duas páginas do primeiro capítulo e é nessa hora que você pensa "É esse!", pois bem, fui pro caixa.

Já tinha acontecido de eu gostar muito de um livro, mas nunca a ponto de falar "Esse livro é a história da minha vida!" e então, finalmente, quando eu menos esperava, encontrei o livro da minha vida. Confesso que não esperava muito dele, pensei que fosse ser mais um clichê romântico, ele é clichê sim e é romântico sim, mas ele tem o clichê romântico da minha vida, e eu nunca pensei que ia encontrar um livro que me fizesse parar por semanas, nunca pensei que um livro fosse me fazer ter insônia, e esse fez!

Um Dia
Autor: David Nicholls.
Editora: Intrinseca.
Categoria: Literatura Estrangeira. / Romance.
Sinopse: Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas — vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.
Preço estipulado: R$ 29,90.

Uma vez, em uma resenha, li que a gente só consegue sentir realmente o impacto de um livro quando se põe no lugar do personagem. Concordo, é quase que automático, basta você se aprofundar na leitura e sua própria mente faz com que você viva o que está lendo. Mas com Um Dia foi diferente, eu não precisei me colocar no lugar do personagem, foi como se o personagem se colocasse no meu lugar.

É extremamente clichê, mas sabe quando você fecha um livro, olha pro teto, sente um arrepio vindo da espinha e simplesmente não sabe como continuar com sua vida? Li o livro em uma semana ou menos, isso já faz mais de um mês e só agora fui capaz de colocar aqui tudo o que eu penso sobre o mesmo, pra vocês verem como a minha queda pela obra foi grande.

Por mais que a gente negue, fuja do assunto ou finja que não sabe de nada, que sentimentos não são um problema, sempre tem um alguém, sempre tem aquele alguém que te faz dar um sorriso bobo por qualquer coisinha. Sempre tem aquele alguém que você torce o dia inteiro pra esbarrar sem querer no meio da rua, sempre tem aquele alguém que você se importa.

E ás vezes, esse alguém não te enxerga. Tudo o que você encontra na pessoa, ela procura em outras, e você perde dias, semanas, meses ou até anos mostrando pra tal pessoa que você esta ali, mas nunca é o suficiente, porque pra ela você é alguém do passado que não deu certo, então "Vamos ser apenas amigos e procurar pelas nossas pessoas certas". E amores platônicos não entram nessa história, porque há muita diferença entre você gostar de alguém que nunca teve nada contigo, e você gostar de alguém que você já teve, que apesar de saber exatamente como a pessoa é, de todos os defeitos dela, você continua a querendo.

E você não consegue dizer um adeus, o que por muitos é visto como burrice, se a pessoa está curtindo a vida dela e você é só a amiguinha linda com quem o tal ser desabafa, vai curtir sua vida também e esquece essa pessoa. Simples. Mas não, a vida não te deixa agir da maneira mais simples, porque você sente vontade de ligar pra pessoa e dizer o quanto sente falta dela (né não Emma?) você escreve milhares de coisas pensando apenas nela - e cá estou eu, escrevendo tudo isso e pensando em uma pessoa especifica - e sente vontade de enviar tudo, de dizer tudo o que sente, de abraçar a pessoa até sufocar e nos mais extremos dos casos pega-la pelos ombros, chacoalhar e dizer "Eu to aqui!!!!".

E em alguns casos a pessoa sente o mesmo, mas é orgulhosa demais pra admitir. Em outros, sente o mesmo mas é burra demais pra perceber. Em outros, você continua sentindo e a pessoa não... Mas tá, onde Um Dia entra nisso tudo e porque eu me identifiquei tanto? Vamos lá.

Em e Dex, Dex e Em. Emma é aquela garota que não faz parte do que todo cara procura (bunda, peito, decote, sex appeal)  usa óculos, esconde o corpo com seu modo de se vestir, mas apesar de tudo isso, ela tem qualidades notáveis: inteligente, sabe ser engraçada na hora certa, tem aquele sarcasmo que eu acho que todo mundo devia ter pra lidar com algumas situações. E aí vem Dexter, o cara metido com mania de "Carpe Diem" - tenho vontade de bater em gente que tatua isso - que não se apega, que não se apaixona, que não quer saber de política, porque a vida está aí pra ser vivida, vamos encher a cara como se não houvesse amanhã! E Emma sempre notou aquele cara na faculdade, porque apesar de todos os contras ele é sim bonito, e quando a pessoa é bonita por mais babaca que seja a gente a nota. E só no último dia possível, literalmente, ele a vê. E ela gosta dele, mas ele é muito "Carpe Diem" pra isso.  E o dia 15 de Julho sempre vai ser lembrado por ela, mas não por ele, pelo que tudo indica. Como se já não bastasse toda a baixa autoestima de Emma, ela se apaixona justo pelo cara que de inicio não vai reconhecer quão especial ela é.

"Você é linda, sua velha rabugenta, e se eu pudesse
te dar um só presente
para o resto da sua vida seria este.
Confiança.
Seria o presente da Confiança.
Ou isso ou uma vela perfumada."

E disso tudo surge uma amizade, e os anos vão passando, passando e passando, e mesmo o óbvio estando na cara de Dexter ele simplesmente não entende que Emma é a tal pessoa.

 


E se passam anos, mas Emma continua ali, disposta a qualquer coisa por Dexter, mas o cara é tão imbecil que não é capaz de perceber que é sempre ela com quem ele quer conversar, que é sempre a ela quem ele recorre quando precisa de ajuda, e que quando os dois se encontram, sempre, absolutamente SEMPRE tem que acontecer algo constrangedor - ou não tão constrangedor assim, pelo menos não pra Emma que está o tempo todo torcendo pra que algo aconteça - desde um clima com palavras até com atos.

E porque eu falei tanto assim de Um Dia? Pra ser sincera nem eu sei mais, mas o que eu queria dizer, é que muitas vezes, você já encontrou a tal pessoa mas deixou que ela escapasse, e do que adianta procurar por todos os lados, aproveitar a vida e viver cada dia como se fosse o último se o seu tal alguém está ali, te esperando e você simplesmente não repara nisso?

Muita gente passa pela situação, e eu me identifiquei. Sei lá, só pensem nisso.