Nana gigante, que a Cuca vem pegar.



Quarenta e cinco minutos do segundo tempo de Fevereiro e eu eis que dou o ar da minha graça para postar aqui, mas vamos ao assunto do post que eu tenho essa mania chata de começar a falar e nunca mais parar.

No meio do ano passado, com o aumento do valor das passagens dos transportes públicos de diversos lugares do país, alguns brasileiros resolveram sair às ruas e protestar contra a situação, até cheguei a postar sobre o assunto porque cá entre nós foi muito bom ver que havia uma possibilidade de o brasileiro não ser tão acomodado a tudo, mas desde então tenho visto repetidamente em jornais que os "protestos" - com direito a aspas por envolver vandalismo e furto, querer mudar algo errado do seu país com mais erros se chama tolice meus amigos - viraram rotina. Protestar é algo ruim? Não, não é afinal nós não estamos mais vivendo na época da ditadura. Protesto virar "rotina" é algo ruim? Depende. Um protesto rotineiro com argumentos bons seria ótimo, mas um protesto contra a Copa do Mundo que já está batendo nas nossas portas não vai funcionar.

Não vou defender político, não vou defender manifestante muito menos dizer que concordei com essa ideia de a Copa do Mundo ser no Brasil. É injusto o dinheiro do país ser gasto com futebol sendo que vemos problemas diariamente por onde passamos? Sim, é injusto. Mas, mais injusto ainda é sair nas ruas e atrapalhar quem precisa trabalhar pra sustentar a casa, é injusto depredar comércios e furtar mercadorias de pessoas que não tem absolutamente nada a ver com a decisão da Copa, é injusto tentar agredir policiais que estão ali porque aquele é o trabalho deles e nada mais, tem policial que é bandido sim e não tem porque ficar negando isso na internet só pra não trazer problemas, mas no meio daqueles que tentam amenizar a violência das manifestações pode haver um policial que realmente gosta de proteger as pessoas, que tem uma família esperando por ele em casa com medo de que talvez ele não volte mais, se o dinheiro do país ser gasto com futebol é injusto levar bombas caseiras para manifestações e machucar pessoas que assim como você possuem uma vida é mais injusto ainda.

O país foi escolhido como sede da Copa 2014 em meados de 2007 e o brasileiro quer ir contra a decisão em 2014, faltando meses para o inicio oficial do evento. Vai resolver o problema? Vão desistir da Copa e investir o dinheiro em coisas mais importantes? Todo mundo sabe que não, se alguém realmente quisesse mudança teriam tentado mudar algo há sete anos e não agora.

Você reclama da educação, mas não para um minuto de conversar ou mexer no celular para prestar atenção na aula do seu professor. Você reclama dos hospitais, mas não percebe que quem faz os hospitais são os funcionários, se os médicos nos tratam com hostilidade não é protesto que vai resolver isso e se a infraestrutura do local está ruim a culpa é de quem o usa afinal nada se destrói sozinho. Você reclama do transporte público, mas coloca fogo no mesmo, o quebra e machuca pessoas que assim como você estão ali porque precisam e não porque realmente querem. Você reclama da situação dos parques, do asfalto velho e da sujeira das cidades, mas esquece que quem joga lixo no chão e maltrata locais públicos são os mesmos cidadãos que saem nas ruas pedindo por melhorias. Você reclama do país, mas não percebe que se estivesse vivendo em qualquer outro lugar do mundo, acharia reclamações do mesmo jeito e poderia estar vivendo em condições piores. Poderia estar passando fome, poderia estar sofrendo a consequência de um desastre natural inesperado, poderia estar vivendo em meio à guerra. Você nesse exato momento poderia estar sendo baleado em um confronto simplesmente por estar no lugar errado, na hora errada.

O gigante diz que acordou sem perceber que continua com a cantiga de ninar ecoando pelas ruas.

Pule carnaval agora, semana que vem a gente tenta mudar o que precisava ser mudado há sete anos não é mesmo?

Só acontece comigo #9

Com o inicio de 2014 a única coisa que se passava em minha mente era o fato de que no fim do ano eu finamente iria sair da escola, e o juramento que eu tinha feito comigo mesma era que depois disso só pisaria novamente em tal local em casos que não há como fugir. (Ex: votar, pegar histórico escolar porque as pessoas não acreditam em você quando ouvem um: "Eu tenho o 2º grau completo." elas querem que você comprove isso com um pedaço de papel, vamos confiar mais uns nos outros amiguinhos.) Mas, como vocês bem sabem desde que eu comecei a escrever por essas bandas, Deus é um eterno "RÁÁÁÁ PEGADINHA DO MALANDRO!" com a minha pessoa, às vezes tento me lembrar do momento em que caçoei Dele, porque só um possível bullying que pratiquei com o Senhor é capaz de explicar essa raiva acumulada que Ele aparenta ter para com a Tatisinha aqui. Pois bem, prosseguindo. O que acontece é que eu arrumei um novo emprego. Em uma escola. Eu trabalho em U.M.A E.S.C.O.L.A. E o meu contrato como "Jovem Aprendiz" - sou menor de idade mas sou trabalhadora ™ - tem quase dois anos de duração, e depois disso as possibilidades de efetivação são de 99.99% ou seja, eu não vou sair da escola tão cedo. E o tema do azar de hoje é a minha escola, não meu trabalho, não... Fiquei confusa alguém traz um copo de água, por favor.

Trabalho bom é trabalho que você fica exatas seis horas sentada, na sua mesa, sem ter que dialogar com gente mal educada, mas ai chega a hora do intervalo, e uma criatura dos olhinhos puxados e a boca três vezes mais aberta que o olho devido ao choro entra na secretaria e não se sabe se soluça ou se fala.

- O que aconteceu? Por que você tá chorando?
- Eu quero minha mãããããe!!! - o catarro escorre, o soluço vem entre as lágrimas.
- Conta pra tia o que aconteceu.
- O Pedro. - catarro - Ele me chamou de Peixonauta!

Dica do dia: quando estiver perdendo uma discussão com alguém, chame-a de Peixonauta. Irá tocar os sentimentos mais profundos da pessoa, e de quebra ganha a discussão.

Primeiro post de Fevereiro é na verdade um meio de explicar meu sumiço, a rotina mudou e eu estava em uma fase não-to-sabendo-administrar-minha-vida-alguém-ajuda. Mas já passou como tudo passa. São águas passadas, escolhas erradas. Como diria sua mãe, até uva passa!
E pra quem se interessar: menininho Peixonauta passa bem.