A gente precisa conversar sobre o primeiro episódio de Gilmore Girls.

Esse post contém spoilers do Piloto de Gilmore Girls.




Então eu voltei a ver Gilmore Girls. Logo no primeiro episódio, quando Rory ainda estudava na Stars Hollow High School, em uma conversa com Lorelai e Sookie descobre que foi aceita em Chilton, uma escola preparatória cara, cujas mensalidades são responsáveis pela aprovação de todos os seus ex-alunos em universidades como Yale e Harvard. Até então o sonho da Gilmore mais nova era cursar Jornalismo em Harvard, o que torna Chilton um grande passo rumo ao mundo acadêmico.

Quando Rory está limpando seu armário empolgada por contar a novidade para sua melhor amiga Lane, acaba conhecendo Dean, um garoto vindo de Chicago, alto, com jaqueta de couro e uma carinha de bumbum de neném que nenhuma garota aos 16 anos conseguiria controlar seus hormônios diante dela. É esse encontro que uso como ponto para esse texto. 

A tradução do título usada no nosso país não é escolhida à toa. Aqui no Brasil, quando transmitida pelo SBT, Gilmore Girls passou a se chamar Tal Mãe, Tal Filha. E como já explícito, durante as sete temporadas da série vemos que mesmo Lorelai e Rory sendo pessoas diferentes que vivem de maneiras opostas, a mãe e a filha costumam ser bem parecidas quanto ao modo que tomam suas decisões e como suas personalidades se mostram iguais com o passar do tempo - Rory pode até ser um pouco mais pé no chão que Lorelai por ter seguido a risca tudo o que precisava para alcançar seu sonho profissional, mas são vários os momentos em que notamos a sua semelhança com a mãe por agir impulsivamente sem medir as consequências de seus atos - o que já pode ser visto no Piloto da série. 



Depois do encontro com Dean e de perceber que o mesmo estava interessado nela, Rory se fecha com sua mãe que através de outra personagem (Miss Patty) descobre o verdadeiro motivo para sua filha repentinamente não querer mais ir para Chilton (algo que desejava MUITO). Ao contrário do que a garota diz, a mudança não está ligada ao dinheiro que será gasto no processo, nem mesmo as longas viagens de ida e volta diárias. Rory não quer mais ir para Chilton porque conheceu Dean, e para uma garota de 16 anos que nunca foi notada por um cara, descobrir que alguém a quer é capaz de fazê-la deixar para trás muitas coisas. E é essa a cena que nos mostra toda a base da série: uma filha que mesmo sendo diferente de sua mãe quando tinha a mesma idade, por ter uma personalidade muito parecida acaba tomando decisões no mesmo nível, uma mãe que carrega traumas de sua criação e por isso realmente acha que a filha precisa compartilhar tudo o que acontece em sua vida com ela, e uma avó que por sempre ter sido impedida de cuidar da própria filha o faz em todas as brechas que encontra. O que nos leva ao Revival lançado pela Netflix, e esse texto não terá spoilers do mesmo, mas para quem já assistiu: o rumo que a vida da Emily toma, o fato de a Lorelai continuar sendo a birrenta que se recusa a enxergar as coisas boas que seus pais fizeram por ela e o modo como a Rory administra sua própria vida além das quatro últimas palavras estavam esse tempo todo na nossa cara.

Gilmore Girls é uma série sobre pessoas, e pessoas cometem mais erros que acertos, nós sabemos muito bem disso, só é difícil quando a ficção joga essa verdade no nosso colo e não nos deixa outra escolha, né?

5 comentários:

  1. eu comecei a ver faz um mês mais ou menos, estou na metade da segunda e estou adorando, amo o fato delas se completarem. É uma série muito divertida!


    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tatiane! Tudo bem?
    Eu espero que você não me odeie ou something like that, mas um tenho uma confissão um tanto desagradável a fazer: eu assisti o piloto de GG e não gostei. Não sei se é porque não estava na vibe ou não curti mesmo, mas achei tão sem sal. E, sinceramente, falo isso com certo pesar, porque vejo milhares de pessoas apaixonadas pela série, especialmente agora com o revival lançado pela Netflix (este eu fiquei interessada em ver, mas de nada adiantaria, pois não entenderia nada, hahaha!).
    Quem sabe algum dia eu dê uma nova chance à GG, mas, por ora, não irei assistir.

    Com amor,
    cartasparacarolaine.blogspot.com // @cartasparacarolaine

    ResponderExcluir
  3. Eu senti a mesma coisa quando vi a série, e eu era criança huauhahua
    Acho que é por isso que não consegui assistir GG por inteiro.

    bruna-morgan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. E que Revival viu. O que dizer daquele final????? A verdade é que final melhor não teria, mas sim, QUERO MUITO que tenha continuação. Por favor Deus. Em todo o Revival a unica coisa que achei meio triste foi a loucura que estava a vida da Rory, jamais esperaria por aquilo.
    Umabraço.

    ResponderExcluir
  5. Eu amo essa série, mas é bem aquela coisa de full circle mesmo, né. Desde o início dá pra ver essa relação e achei bem legal cê ter notado isso e escrito sobre. Mas se eu falar mais vou dar altos spoilers pra quem ainda não viu e lerá os comentários, hahahaha

    ResponderExcluir

-Spam não são publicados.
-Costumo responder todos os comentários no blog de quem os faz, se você estiver em anônimo, volte ao post em que comentou que responderei no mesmo.
-Obrigada por visitar <3