02 abril 2020

Nenhuma quarentena é capaz de parar meus pensamentos.




Tirei essa foto há exatas duas semanas, quando saí de casa pela última vez pra participar de um processo seletivo na Vila Olímpia. No dia, andando pelo bairro, comentei com quem estava comigo que era absurdo pensar que aquela era a vida normal das pessoas que moram ali e que ter casas/apartamentos como aqueles era algo tão distante que eu não conseguia nem imaginar a quantidade de dinheiro por trás daquela vida. Eu já sabia que as aulas seriam suspensas e que logo, logo, as medidas para enfrentar a pandemia chegariam -- mas a gente só sente quando a coisa de fato acontece. Não sei quando tudo vai acabar e como vai acabar, mas é "engraçado" pensar que na última vez em que saí de casa, foi pra ver uma realidade totalmente diferente da minha, e que agora, as pessoas que vivem nesse bairro cheio de luxo, sequer sabem como estão as coisas pra quem vive em bairros pobres. No fim, tudo acaba sendo político e sobre as extremas diferenças entre as classes. 

(***)

Ainda me surpreendo vez ou outra com as linhas de pensamento que cada pessoa está tendo nessa quarentena. É claro que nenhum problema é menor que o outro e que nenhuma dor é inválida, mas será que as coisas que realmente importam não são muito além do que as reclamações feitas a todo momento? Tenho vivido os últimos 18 (19? Perdi as contas) dias de quarentena sempre com medo e uma ansiedade que apesar de controlada, vez ou outra me cutuca os ombros pra fazer especulações que não pedi. Vejo minha mãe diariamente sair para trabalhar e qualquer ligação dela durante o expediente faz meu coração acelerar e meus pensamentos se voltam apenas para situações catastróficas. Vez ou outra ela me conta sobre clientes que mesmo em uma pandemia, não mudaram o velho hábito de maltratar trabalhadores, e a única coisa que eu penso é que sim, já queria estar formada para poder pedir para ela sair do emprego e ficar em casa, especialmente nesse momento, mas por outro lado, que não, não me importo se precisar demorar mais tempo para me graduar por causa do cenário atual -- nenhum problema financeiro meu pode ser maior do que vidas perdidas. Mesmo aquelas que não conheci, ou que conheci o suficiente pra saber que não queria compartilhar a minha vida com elas. Dinheiro é um problema na minha casa há alguns anos, e mesmo assim nunca nos faltou nada, principalmente a vida. Todos os dias tenho sentido medo de que ela venha a faltar.

22 março 2020

Só acontece comigo #83

Todos os posts da série "só acontece comigo" aconteceram antes do dia 14 de Março de 2020, data em que se iniciou o período de quarentena. Fique em casa. 



O telefone residencial de vocês ainda tem alguma utilidade? Por aqui, a única função é receber ligações enquanto estou dormindo que me fazem levantar e ter que responder que "não, fulano de tal não mora nessa residência, e que tudo bem, enganos acontecem". Ainda assim, às vezes surgem necessidades como ligar pra consultórios, e foi em um desses momentos de necessidade que descobri o não funcionamento do meu aparelho. 

Não sei se isso é um fato, mas tanto minha mãe, como eu, já percebemos que telefones residenciais sem fio são mais propensos a dar problemas rapidamente. Depois de constatar isso, lembramos que tínhamos guardado nosso antigo telefone com fio, então o reinstalamos. A linha continuou muda.

Mandei mensagem para a prestadora do serviço pelo site e agendei uma data para receber o técnico, o herói que nos salvaria do terrível mundo sem um telefone para que o telemarketing nos liga-se. 

O dia chegou. O serviço seria cobrado na próxima fatura. Um valor de 90 reais. "Vai valer a pena" eu pensei, "não vamos mais precisar tão cedo".

O moço entrou.
Olhou pro telefone.
Olhou pro modem. 
Mudou o fio do telefone conectado ao modem de entrada. 
O telefone voltou
90 reais a mais na conta.

Sabe quando te perguntam se você já tentou reiniciar o modem ou trocar o fio de lugar e você revira os olhos como um adolescente que jura saber mais que todo o resto do mundo? Às vezes é bom conferir.

Tem texto meu no Valkirias falando sobre Por Lugares Incríveis!

19 fevereiro 2020

Aloka das listas: revival

Vocês conseguem conceber que 2015 aconteceu há cinco anos? Jurava que tinha sido há algumas semanas! Quando nos distanciamos dos anos passados, é normal não perceber a passagem do tempo, mas retornando ao post que fiz aqui no blog com todas as metas que eu tinha para aquele ano, intitulado Aloka das Listas, pude notar não só a passagem do tempo, como também as mudanças que só ele proporciona. Por isso, resolvi compartilhar com vocês metas que mesmo não cumpridas naquele ano, consegui cumprir depois, e falar mais sobre as que também perderam o sentido. Caso você queira ver as metas que deram certo já naquela época, o post é esse aqui. 

1. Dinheiro não nasce em árvore.




  1. Tirar minha carteira de motorista. Primeiro que é caro, segundo que eu tenho zero planos futuros de comprar um carro.
  2. Comprar o box de Friends. Quem diria que o aparelho de DVD nem existiria mais na minha casa?
  3. Comprar o batom Ruby Woo da MAC. Vult maior e melhor.
  4. Comprar o batom Diva da MAC. Vult maior e melhor.²
  5. Revelar todas as fotos que só tenho salvas. Pra ser bem sincera essa ainda é uma vontade atual, porque sempre penso na possibilidade de perder os arquivos da nuvem e ficar sem memórias registradas da vida, mas pra revela-las, só quando o dinheiro realmente estiver sobrando.
  6. Comprar um banco imobiliário. Gosto muito do jogo, mas acho que perdeu o sentido.
  7. Comprar um disco de vinil. Na época era cool, hipster & diferente. Hoje em dia eu prefiro uma assinatura no Spotify, heh.
  8. Viajar para Porto Alegre. Segue sendo um local que adoraria conhecer, mas não está nada próximo de se realizar.
  9. Ir a um festival de música. Só falta eles custarem menos de 200 reais rs.
  10. Fazer uma segunda tatuagem. Pra isso preciso de uma primeira, heh.
  11. Fazer alguma atividade física ou esporte. Antes esse estava na categoria "não tenho tempo", mas atualmente vejo que está mais relacionado ao dinheiro mesmo. Saúde e bem estar são sinônimos de estabilidade financeira para a maioria das pessoas, infelizmente.
  12. Ir à praia a noite. Outro que antes estava em tempo e agora coloquei em dinheiro. Eu moro em uma cidade bem próxima do litoral paulista (com relação a outros locais do Estado), e mesmo assim não tenho como ir pra lá porque implica em gastos que não cabem no meu orçamento.

2. Você sabe o que é ter tempo? Nunca vi, nem comi eu só ouço falar. 




  1. Ser voluntária de leitura para crianças. 
  2. Fazer resenha de 100 livros.
  3. Fazer resenha de 100 filmes.
  4. Fazer resenha de 10 séries.
  5. Passear no Jardim Botânico de São Paulo.
  6. Passear no Parque da Juventude.
  7. Passear no Villa-Lobos.
  8. Fazer uma trilha. 
  9. Ir à uma cachoeira.


3. Vamos deixar a meta aberta.




  1. Conseguir um emprego novo.
  2. Comprar uma estante de livros. 
  3. Aprender a andar de bicicleta.
  4. Aprender a nadar (igual gente).
  5. Aprender a tocar violão.
4. FUNCIONOU. 




  1. Chegar a 100 seguidores. Gostaria de agradecer a todos vocês que se arriscaram a isso, não sei porque o decidiram, mas obrigada.
  2. Chegar a 50 posts do "Só Acontece Comigo". Como desgraça não é pouca por aqui, temos exatamente 82 posts.
  3. Ter um cachorrinho. A Paçoca já apareceu por aqui várias e várias vezes, mas é sempre bom lembrar da existência dessa coisinha mais linda da minha vida!
  4. Tomar dois litros de água por dia. HIDRATEM-SE.
  5. Ir à uma exposição realmente legal. Ao longo desses anos todos teve Masp, Pinacoteca, Casa das Rosas... 
  6. Largar a bendita Coca-Cola. Esse aqui eu realmente pensava ser impossível de realizar, mas fiquei mais de um ano sem tomar nenhum refrigerante. Depois disso, no fim do ano passado, não resisti e tentei beber Coca, mas passei mal e não consegui nem tomar o restante. ESTOU CURADA!
  7. Conhecer pessoalmente meus amigos virtuais. Aconteceu em Janeiro do ano passado, com pessoas que na época em que escrevi essas metas, eu sequer conhecia. A vida é DOIDA (um obrigada especial às meninas do Cilada). 
  8. Aprender (de verdade) inglês. No ano retrasado conheci a ONG CPM, que conta com professores voluntários para o ensino da língua. Recomendo muito pra quem não tem como pagar um curso. Atualmente, faço inglês em um projeto gratuito da minha faculdade.
  9. Ler pelo menos 100 livros. De 2015 até aqui, foram 154 livros lidos. 
  10. Engordar. Fui uma adolescente abaixo do peso contra minha vontade e isso sempre me incomodou demais. Ano passado, com a entrada na universidade, ganhei 10 kg em menos de um ano, heh. 
  11. Viajar para qualquer lugar fora de São Paulo. Em 2018 saí do Estado pela primeira vez pra prestar um vestibular e passei exatas 17 horas em Curitiba. 
  12. Ir à uma festa fantasia. Em 2018 um amigo comemorou o aniversário assim, e eu agradeci muitíssimo mentalmente pela meta alcançada. 
  13. Ir a um show nacional. Sem nenhum planejamento acabei vendo o show da Fresno de graça.
  14. Passear no Ibirapuera. Todas as vezes que visitei o parque estava muito calor e não consegui achar graça em nada enquanto derretia lentamente. 
  15. Postar pelo menos 3 vezes na semana no blog. Aconteceu quando participei do BEDA
  16. Ver pelo menos 100 filmes. Pra ser bem sincera eu não sei se a conta dá 100, mas eu vou me convencer que dá sim. 
  17. Ver pelo menos 10 séries. Obrigada por tudo, serviços de streaming. 
  18. Sair sem rumo e fazer coisas legais nesse passeio sem rumo. Sei lá o que eu queria com isso, mas sair sem rumo eu já saí. 
  19. Sair para passear todos os dias com meu possível cachorro. E se eu não sair a Paçoca me deixa surda de tanto latir.
  20. Começar a faculdade. Demorou, mas aconteceu. Amém, universidade pública. 
5. Refeito. 


Essa categoria só surgiu porque em 2016 cheguei a criar o que eu queria, mas exclui tudo e no final do ano passado acabei começando outra vez, mas com conteúdos diferentes. 

  1. Fazer o meu projeto para o blog cujo nome não vem ao caso. Era o Rata de Biblioteca, a coisa que eu mais gosto de ter criado na internet!
  2. Ter um canal no Youtube. É o Café da Tati, que não tenho divulgado muito porque, bom... Vergonha.
  3. (Se for o caso) encontrar o NOME para o blog. Pra quem não me conheceu antes, o blog se chamava Novembro Inconstante, até perder o sentido e se tornar Limonada. 
  4. Comprar uma escrivaninha. Eu cheguei a comprar, mas ela é bem ruim e até hoje meu sonho é ter uma melhor. 
6. No aguardo.


  1. Fazer a minha primeira tatuagem. Já marquei a data hihihi.
  2. Ir à Bienal do Livro. Esse ano é em São Paulo e eu irei mover céus, terra e mar pra ir!!!
  3. Ir a um show internacional. Com a volta dos Jonas Brothers eu JUNTEI DINHEIRO PORQUE QUERO CHORAR E GRITAR PRA ESSES TRÊS HOMENS MAS OS BENDITOS NÃO CONFIRMAM DATA NO BRASIL O POBRE NUNCA PODE SER FELIZ.

7. Canceladah.



  1. Assistir um filme no cinema no dia da estreia. Não tenho paciência pra isso. 
  2. Mudar o blog para .com. Não vejo mais sentido.

8. Feitos em 2015/2016.



  1. Ter um aniversário decente.  Com direito a cotovelada, e acabei descobrindo que não gosto de comemorar aniversários.
  2. Conseguir me sair bem no cursinho extensivo. Não entrei na faculdade, mas o resultado me mostrou que os estudos estavam me levando para o caminho certo EDIT 2020: TAMO NA FACULDADE, RAPAZ. 
  3. Decidir se quero Psiquiatria, Marketing, Direito, Jornalismo ou Publicidade.   Psiquiatria wins. EDIT 2020: acabei na Enfermagem, a vida é DOIDA. 
  4. Fazer uma mudança radical (ou nem tanto) no cabelo. Cortei no ombro, serve? EDIT 2020: ano passado fiz uma mecha roxa. 
  5. Finalmente resolver pendências com c e r t a s p e s s o a s. Como é bom viver em paz.
  6. Controlar minha ansiedade. Na medida do possível. EDIT 2020: eu não sabia, mas mais tarde, no mesmo ano em que escrevi isso, comecei meu tratamento médico.
  7. Encontrar um shorts de cintura alta que me sirva!!! Não é cintura alta, mas SERVIU. Até fiz um post sobre o incrível dia em que consegui sair na rua pela primeira vez com ele.
  8. Fazer um layout maravilhosamente maravilhoso para o blog. O layout atual!
  9. (Se for o caso) encontrar O NOME para o blog. Não sei se vou mudar ainda, talvez sim...
  10. Ter o hábito de passar protetor solar.  Minha pele agradece.
  11. Ser menos pessimista. Depois de uma tensão muscular é bom ver a vida com mais amor. 
  12. Reclamar menos.  Mas não perder o costume hehehehe.
  13. Conhecer pelo menos duas pessoas novas que possam ser mantidas na minha vida. Porque eu também posso ser sociável. 
  14. Fazer um post no fim dessa lista contando um pouco sobre todos os itens que consegui cumprir.   Aqui estamos. 
  15. Ser mais paciente.  Mas nem tanto.
  16. Superar o medo e comprar algo pela internet. Comprei 3 coisas e obtive sucesso em 2.
  17. Fazer algum projeto com outras blogueiras.  Círculo Secreto e Blogueiros Geeks
  18. Vender algo no Enjoei. Não só vendi como já tive problemas com o Correio, AMO.
  19. Aprender a fazer ilustrações. Mais ou menos, mais ou menos.
Esse foi o Revival Aloka das Listas, um oferecimento das vozes da minha cabeça. Quem sabe daqui cinco anos eu retorno com ele. Ou não. 
© Limonada.
Maira Gall