Roger Waters me entenderia.



Nessa semana saíram várias matérias sobre o ranking de ensino nas escolas paulistanas de acordo com a nota do ENEM, que acontecerá novamente dentro de um mês. Entre todas as comemorações das escolas particulares que servem exclusivamente a uma população cujos pais dos alunos são médicos, advogados e engenheiros, me perguntei quando foi que a educação passou de algo essencial para todos por lei para uma disputa pra saber quem passa no curso mais concorrido daquela universidade talvez um pouco subestimada. Com esse pensamento surgiu a pergunta: a vitória desse ranking pertence a quem? É mesmo justo obter o primeiro lugar pagando mais de R$ 2.000,00 mensais para se alcançar o topo de algo que não deveria ter se tornado mais uma das competições que nos fazem máquinas incapazes de sermos quem realmente somos em nome do sucesso profissional, esse que talvez lá na frente não seja o que você pensou e te faça mais mal que bem?

A minha vida toda estudei em escola estadual. E ao contrário de alguns que estudam boa parte na particular e no Ensino Médio mudam para a pública a fim de conseguir burlar alguns sistemas de vestibulares, nunca tive outra opção; ou estudava na pública, ou não estudava. Vivenciei nesses mais de 10 anos dentro desse sistema o que todos já viram nos jornais: não tem papel higiênico, não tem merenda, não tem aula, não tem profissional capacitado para nos ajudar com questões estudantis, não tem vigilância dentro da própria sala de aula e se tem professor, ele não vai te dar aula. Nunca vi ninguém comentar sobre isso com sinceridade, mas não vou deixar de falar: a grande maioria dos professores são responsáveis pelo desencorajamento dentro dessas escolas. No meu Ensino Médio inteiro, meu professor de Física apenas entrava na sala, sentava e ali ficava por 50 minutos. No fim do bimestre uma prova da matéria surgia em nossas frentes como se alguém fosse capaz de entender o que os enunciados dos exercícios queriam. Durante os três anos do Ensino Médio, eu acreditava que Física se resumia à "delta-t-sobre-delta-s". Ao contrário do que se têm  falado internet a fora, em Sociologia e Filosofia nós nunca realmente aprendemos a questionar o sistema em que vivíamos, e nunca fomos influenciados a apoiar nenhum lado politico, porque na verdade, a grande maioria dali, sem possuir interesse no assunto, ganhou o certificado de Ensino Médio completo sem saber diferenciar quem a Direita beneficia e quem a Esquerda apoia. Em Biologia, a única coisa que vimos sobre Botânica estava ligada a fotossíntese, eu JAMAIS saberia da existência de briófitas e pteridófitas se não tivesse a oportunidade de entrar em um cursinho pré-vestibular. E quando digo oportunidade, é porque realmente foi uma.

Ao contrário do que talvez pareça, não pertenço a Classe Média. Só frequento o pré-vestibular porque aos 16, como a grande maioria que vem do ensino público, comecei a trabalhar e assim permaneci por três anos seguidos, juntando dinheiro suficiente para poder pagar meus estudos - estudos que hipoteticamente eu não precisaria fazer após três anos no Ensino Médio, mas se até os alunos das escolas privadas partem para os cursos preparatórios, como eu, que sabia menos que o básico, seria capaz de entrar em uma universidade competindo com eles? - e reconheço o privilégio que tenho, porque 95% das pessoas que estudaram comigo ou nem sequer cogitam a possibilidade de estudar algo ou entraram em faculdades desconhecidas até pelo MEC, e por mais que seja errado tirar o mérito de pessoas que partem para o Superior privado é necessário confessar: em uma entrevista com um candidato que possui diploma da estadual contra um da privada-não-tão-falada é fácil saber para quem as preferências irão apontar. 

Recentemente a USP se encheu de orgulho para anunciar que aumentou a porcentagem de alunos oriundos de escolas públicas matriculados em seus cursos. Em que mundo paralelo precisamos viver para acreditar que tais alunos não precisaram passar por um sistema de ensino particular depois do Ensino Médio, assim como eu, assim como muitas pessoas que conheço? Como um aluno da escola pública vai ser capaz de responder 90 questões, passar para a 2ª fase dissertativa e entrar em uma universidade onde os alunos com renda superior a sete salários mínimos ultrapassa os 50%?

Dentro do cursinho fica cada dia mais doloroso perceber o quanto fui prejudicada pelo ensino gratuito que nada ensina e nada motiva. É cruel ver pessoas mais novas que eu reclamando por não conseguir isenção da taxa dos vestibulares quando o pai é um advogado, a mãe engenheira ou a família pertence a uma geração inteira de médicos. É revoltante escutar pessoas de 17/18 anos dizendo que seus pais são pessoas ruins porque não quiseram pagar a bebida alcoólica dele e dos amiguinhos no fim de semana, quando a única coisa que eu enxergo são pais que com a possibilidade de pagar pela educação, pelas roupas, pelas contas e pelo entretenimento do filho acreditam que o mesmo reconhece o esforço feito. E não, nunca vai reconhecer, porque infelizmente só aprendemos a valorizar o sol depois da tempestade, não é?

É um texto sem conclusão, porque o problema continua (e infelizmente continuará) em aberto por muito tempo. O sistema educacional atual é mais um reflexo da sociedade injusta em que vivemos, onde vence quem tem mais dinheiro. Eu realmente espero estar viva para ver o dia em que o público será preferível ao privado, mas como todos nós acompanhamos, é uma utopia cada vez mais distante.

*Em caso de possíveis dúvidas, Roger Waters era integrante da banda Pink Floyd, foi ele o compositor de Another Brick In The Wall. 

P.S: sei que no geral costumo abordar o cotidiano de forma mais cômica aqui no blog, mas isso era algo há muito entalado, precisava escrever esse texto.

Comentários

  1. Oi Tati <3
    Seu texto traduziu muito do que eu penso com relação à educação nesse país, e na amarga ironia de que os alunos "privados" são a maioria no ensino superior público. Isso somado a estar no dito ensino superior e ver o sucateamento do mesmo, com a desculpa de que não tem verba pra sustentá-lo.
    Também fui de escola pública, mas de uma escola acima da média, e ainda assim tive que trabalhar e pagar cursinho pra passar. É real - o aluno da escola pública não passa no vestibular, e se passa, é na segunda, terceira, quarta chamada. É uma competição sim, e muito desigual. Ontem mesmo, vi uma notícia de que a primeira colocada no ENEM não tem professores, nem merenda, nem estrutura, e pra mim a manchete foi muito "viu só? Mesmo sem condições, é só se esforçar que você consegue". Esse país me envergonha em termos de educação :/
    Achei digníssimo o final do texto, porque infelizmente o problema se estende, se arrasta e continua indefinidamente, me corta o coração. Mas vamos ter fé. Quem sabe um dia, daqui 30 anos... ou mais.

    P.s.: MENINA, EM QUE UNESP VOCÊ SE INSCREVEU??? O que te fez escolher psico? Ai que orgulho! <3 super vamos trocar figurinhas, uau! Beixos mil!

    ResponderExcluir
  2. Ontem mesmo eu voltava na faculdade com uma amiga e a gente conversava sobre as diferenças entre Brasil e Argentina, e ela comentou uma coisa que eu não sabia e achei muito interessante: parece que lá (parece porque eu não fui pesquisar depois pra saber se é isso mesmo) existe faculdade pra todo mundo. Não é aquela coisa de nossa, todo mundo tem ensino superior, mas se você quiser um diploma, você pode tranquilamente fazer sua matrícula e você tá dentro. Não tem competição porque o Estado se propõe a garantir o direito que todo mundo deveria ter à educação. Deve ser um mar de rosas? Não. Algo deve dar errado no meio do caminho? Provavelmente. Mas pelo menos existe uma preocupação e achei isso bem importante, sabe? Me incomoda DEMAIS essa competição que a sociedade impõe. Estamos falando de educação e as pessoas insistem em estabelecer uma competição porque só os melhores vão se dar bem, blá blá blá. E aí que tá porque o ensino superior, pra começo de conversa, não devia ser direcionado para o mercado de trabalho e isso é algo que acontece MUITO aqui. É importante? Claro que é. Mas é essa associação que as pessoas fazem, que se você não tiver ensino superior então você é fracassado que me incomoda, sabe? Eu estudo numa universidade federal e é incrível como muita gente ali não quer estar ali de verdade -- porque não tem interesse, porque não tem vocação, porque queria estar fazendo outra coisa da vida -- mas está, porque estudou a vida inteira em colégio particular, querendo ou não recebeu incentivos necessários para estar lá e porque era isso que era socialmente esperado. Eu estudei a vida inteira em colégio particular (com os esforços da minha mãe, mas ainda assim) e hoje sou muito realizada no que faço, no lugar onde estou. Eu cumpri a cota de expectativas que as pessoas tinham e que eu também tinha, mas isso não quer dizer que essa seja a regra pra todo mundo, sabe? E aí a gente tem uma universidade cheia de gente equivocada, que é favor do golpe e que caga baldes pra tudo e todos. Momentos. É uma situação muito terrível, mas nosso sistema educacional realmente precisa parar de pensar nas crianças (e adolescentes e jovens adultos) como máquinas padronizadas que devem ser preparadas para ganhar dinheiro e na educação como um viabilizador disso, mas como os seres complexos e únicos que são, com afinidades, vontades e vocações diferentes e isso devia ser levado em consideração também (não da forma como certos governos andam querendo fazer, tho, porque isso pra mim é querer mascarar as coisas e fingir que tá tudo bem hehe).

    Não sei se essas coisas fazem sentido porque esse é um assunto que realmente me tira do sério e às vezes eu saio falando igual louca sem pensar muito, mas espero que tenha dado. E espero que as coisas melhorem, porque existe muita gente incrível nesse país e é realmente uma pena que a sociedade continuem desvalorizando certas coisas numa tentativa ridícula de enfiar todo mundo nos mesmos padrões.

    Ah, e só pra finalizar, queria que cê soubesse que eu tô torcendo MUITO pra você entrar logo na universidade. Eu acho que nunca disse isso, mas eu torço de verdade pra que você consiga porque, embora a gente não converse muito para além de blog/twitter/newsletter (essa última eu sempre leio, mas raramente respondo, perdão por ser tão ridícula), eu vejo pelo que você escreve que isso é algo que você realmente quer e eu acredito muito, muito, muito que você vai conseguir. É de pessoas assim que as universidades precisam <3

    beijo, beijo!

    ResponderExcluir
  3. eu entendo muito, eu estudei todo o ensino fundamental em escola publica. e ficava super com medo de estudar em escola estadual no ensino médio, pois lá no para a escola vivia em greve e minha mãe não tinha condições de pagar uma escola particular, então apareceu uma oportunidade de bolsa em uma escola particular, estudei muuuito mesmo e consegui, e foi o melhor ensino médio que eu poderia conseguir. E eu acredito que quando a gente se esforça de verdade e luta pelo o que quer conseguimos, mas é triste a educação no brasil ser tão podre assim, nem todo mundo tem oportunidades, baste torcer por um Brasil com uma melhor educação, quero muito que meus filhos tenham uma educação que valha a pena!
    O texto foi muito inspirador e eu amei, sempre tive esse sentimento em mim, sei lá é revoltante.
    beijos

    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir
  4. É realmente frustrante ver um país tão rico em recursos estar nessa situação. Em que as oportunidades não são iguais. E parece que só vem piorando, pois nessa lista do Enem o número de escolas públicas no ranking diminuíram em relação ao ano anterior.
    Não consigo me identificar com o que você escreveu, pois sempre estudei em escola particular e fiz uma faculdade particular. Mas conheço a situação precária dos ensinos públicos por conhecer pessoas e professores que relatam a situação.
    Foi muito bom ler esse texto e refletir sobre os privilégios destinados apenas a algumas pessoas.
    Beijos, Aline
    Verso Aleatório

    ResponderExcluir
  5. Nossa, esse assunto dá pano pra manga! Mas a verdade é que o ensino geral no Brasil é horrível, mesmo nessas escolas particulares caríssimas, o aluno aprende a fazer x na opção certa sem realmente saber porque.

    ResponderExcluir
  6. Tati, seu texto foi muito foda! Sou a favor de você escrever mais textos de revolta porque tem uma coisa muito pessoal nesse que você escreveu que deixa o texto mais próximo das pessoas. Eu fui aluna privilegiada, estudei em escola cara e sempre agradeço o esforço dos meus pais. Ao chegar na universidade, entretanto, foi que vi a disparidade de um aluno que estuda na escola particular pra um que estuda numa escola pública. Falta base e eles sofrem com isso. Pelo meu curso ser na área da engenharia, a vazão foi ABSURDA. Entraram 50, sobraram 7 sendo 6 desses da escola particular e 1 da escola pública (que tá bem atrasado). A gente precisa de textos como esse pra mostrar que as coisas estão erradas e que precisamos de mudanças.
    A gente tem que parar de acreditar que quem tem mais dinheiro é que tem que vencer sempre, caramba.

    Seu relato foi dolorido, mas muito bom mesmo. Abriu muito a minha cabeça.
    Obrigada.

    Beijos :)

    ResponderExcluir
  7. Oi oi oi
    Então, eu estudo em escola particular desde o sexto ano. Cheguei a fazer uns 3 meses na estadual em Curitiba, mas acabei me mudando de lá e vindo para uma cidade bem mais periferia e acabei entrando nessa escola particular, que nunca foi uma das melhores nem das mais caras, eram 400 contos suados por mês. Agora, que aumentou muito,eu estou fazendo estágio pra ganhar a bolsa, mas olha.
    Mesmo dentro de uma escola bem mais privilegiada, eu sinto que o sistema de ensino é uma coisa bem falida. Nessa comparação que eu tive quase 6 anos atrás, mesmo minha cabeça de criança percebeu a diferença. Querendo ou não, o que muda não são só os professores - influência muito, por que como vamos aprender se ninguém nos explica bem, com aquela fala toda apaixonada que nos prende? Mas o que mais muda é que na pública,temos a questão sócio econômica dos alunos.
    Como você vai ensinar para alunos que não tem direito nem o que comer? Como se espera que passe numa Fuvest da vida um aluno com pais ausentes, que sofreram abuso a infância inteira, passaram fome?
    O sistema está falido? Está. Mas isso é bem mais profundo. É só mais uma faceta da nossa tão conhecida desigualdade brasileira.

    ResponderExcluir
  8. OOOOOI

    sinto muito que você tenha que passar por essas coisas :( Mas fico feliz que você não tenha se tornado alguém mais do mesmo e fez por onde lutar pra conseguir aprender o que o ensino da escola deveria ter feito e não fez.
    O esforço é um mérito seu. Seria muito mais fácil desistir e culpar alguém, pagar de vítima. Fortes são aqueles que vão atrás do que querem, como você fez!
    Seu futuro vai ser muito melhor, você vai ver. Tenho toda certeza de que será!

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    achei seu link nas referências do meu blog e a surpresa de ver ele linkado nas suas leituras fez meu dia mais feliz <3
    Aliás, esse blog todo amorzinho aqui me fez mais feliz hoje! Te desejo todo sucesso do mundo <3

    beijinhos,
    Mare

    ResponderExcluir
  10. Oi Tati <3 vindo responder seu comment fazendo flood aqui mesmo, beixos.
    Sim, eu to me formando em Assis, seja bem-vinda à terra do nunca! Tô disposta pra quaisquer dúvidas que tiver sobre as ênfases do curso de Ax e coisinhas da Unesp.
    Existe um ramo da psico que trabalha com a saúde, e muita gente trabalha em hospital, cuidados paliativos e afins. Em Assis você vai ouvir falar muito mal da medicina, da psiquiatria, dos remédios e diagnósticos, e o foco é mais em questões humanistas e sociais. Eu acho um curso fantástico se você souber digerir o que importa, e todo mundo sai de lá bem crítico (a não ser que você seja meio cabeça oca mesmo, ai tu sai do jeito que entrou -qqq)
    E lembre-se: só a Unesp tem interunesp. HUSHUSHAHSAU

    Obrigada pelos elogios e fico feliz que curtiu o Bruxas *w* Vai sair post toda segunda-feira, espero que continue te agradando <3 beixos queridona! Qualquer coisa, me chama no chat do FB (ou comenta no blog mesmo que assim que der eu respondo aqui!)

    ResponderExcluir
  11. Como eu dava aulas em escola estaduais, uma vez recebi esses trocadinhos do governo porque a escola que eu dava aula atingiu a 'meta' e eu fiquei extremamente surpresa, porque na verdade, não tinha acontecido nenhuma melhoria!
    Mas insistem que incentivo é incentivo... Se você fala pra uma criança 'você é inteligente' vai fazer com que a criança sinta-se inteligente e continue buscando por conhecimento. Mas se falar 'você é um completo imbecil', ela vai aceitar. Danado efeito camaleão :D
    A Bela, não a Fera | Youtube A Bela, não a Fera | Fã Page no Facebook

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-Spam não são publicados.
-Costumo responder todos os comentários no blog de quem os faz, se você estiver em anônimo, volte ao post em que comentou que responderei no mesmo.
-Obrigada por visitar <3