27 agosto 2017

Mulher, substantivo feminino. | BEDA #27

Hoje, quando penso em tudo o que significou crescer mais em meio à garotos que garotas, encontro muitos momentos que ficaram marcados no meu subconsciente, e para a surpresa de quem por anos falou que preferia ser amiga de homens -- ah, a falta do feminismo! -- do que de mulheres por tudo que as desavenças femininas traziam, grande parte dessas memórias não são tão boas como deveriam. 

Eu tinha 13 anos, estava na casa de um dos meus amigos, com muitos outros garotos. A mãe dele colocou um playstation 2 na garagem e nos deixou ali com algumas comidinhas. O jogo rodando era Crash Nitro Kart, e modéstia à parte, eu realmente era boa nele. Entre os revezamentos para jogar de dois em dois, chegou a minha vez, e bom, eu venci. Minha vitória significou muito pra mim, porque desde o momento em que sentei em frente a TV, falei várias vezes pra todos ouvirem que eu era boa naquele jogo, mas pra eles, nem foi tudo isso, foi sorte, e "Nossa fulano, perder de uma garota hein? Não é seu dia."

No segundo ano do ensino médio, ainda não percebendo o erro, lá estava eu novamente em um grupo apenas de garotos. Eles eram sim legais -- assim como os amigos do passado também eram, apesar do episódio do vídeo-game --, mas a amizade já tinha começado de um jeito errado. Era meu primeiro dia de aula em um lugar que eu não conhecia ninguém, no corredor das salas parei a primeira pessoa que vi: um deles. Perguntei se aquela era a sala 4, e depois de obter a resposta, escutei um outro garoto do grupo dizer sem considerar como eu me sentiria com aquilo, que "Olha o ciclano, conquistando todas!". Eu só. Perguntei. A sala. 

Em todo aquele ano que permaneci naquele grupo, tive minha inteligência questionada. Mesmo quando tirava alguma nota boa, ouvia que aquilo só tinha acontecido porque o professor gostava de mim, porque eu nem era inteligente. Eu não podia ser inteligente, porque isso significava ser como eles, ou ter uma nota mais alta, o que nenhum deles gostaria, já que saber menos significava estar para trás de uma garota. 

Todas essas lembranças voltaram quando esse ano conheci um garoto desses legais, sabe? Aqueles que são muito gente boa, tão gente boa que como assim você tem algo contra a me dizer só porque eu acredito mesmo que existem mulheres pra casar e pra ficar? Todo cidadão tem que andar armado sim, isso é o básico da segurança individual. E que pena que você não tá interessada em mim, porque eu com certeza daria um jeito em todos os seus problemas!

Ser mulher me trouxe muitas coisas. Boas, ruins, mas acima de tudo, me trouxe força. E a cada dia eu preciso mais e mais dela, simplesmente pra conseguir ser quem sou, inclusive mulher.

Um comentário

  1. força pra gente. força, amiga. muita força (e paciência pra não matar todo mundo nessas situações)
    </3

    ResponderExcluir

-Spam não são publicados.
-Costumo responder todos os comentários no blog de quem os faz, se você estiver em anônimo, volte ao post em que comentou que responderei no mesmo.
-Obrigada por visitar <3

© Limonada.
Maira Gall