2021

02 janeiro 2022


2021 não foi um dos melhores anos, né? Mesmo com algumas melhoras na pandemia, é como se tivessem deixado uma torneira aberta por muito tempo e todo mundo precisou pegar um rodo, um balde, e um pano para ficar secando o que vazou por tanto tempo. Apesar desse pequeno-grande detalhe, tenho tentado olhar para o outro lado das coisas sempre que possível, afinal de contas, o primeiro semestre, uma consequência de tudo o que eu ignorei em 2020, escancarou o quanto eu precisava cuidar mais da minha saúde mental e, de certa forma, parar um pouco de esperar tanto pelos outros. 


Lembro do dia em que as imagens da primeira vacina sendo aplicada no Estado de São Paulo foram liberadas. Enquanto eu realmente chorava de alívio (o que 2020 fez com a minha mente por causa da Covid foi pior do que eu pensava saber), ainda não imaginava que as minhas doses estavam tão próximas. Como faço enfermagem e tenho uma grade curricular muito mais voltada para estágios no hospital escola do que para aulas com teoria, em Fevereiro a universidade já estava vacinando os alunos que começariam (ou continuariam) a estagiar. Ainda é um pouco estranho pensar que tenho três doses e que tive toda essa oportunidade. Mais estranho ainda pensar que existem pessoas que não querem se vacinar. Se depender de mim, qualquer vacina é bota



Os estágios foram outro grande acontecimento. Como ainda estava no ciclo básico, só tinha visitado uma UBS em 2019 para fazer uma ação educativa com crianças sobre bullying, o que foi pouquíssimo considerando tudo o que uma enfermeira faz. Ao todo realizei estágios de quatro matérias, com diferentes professoras e em diferentes setores do hospital. Ainda tenho muito medo de acabar machucando algum paciente sem querer, mas nesses meses todos percebi o quão acertada foi a minha decisão de parar de insistir em prestar vestibular para um curso que eu achava ser mais compatível comigo, quando na verdade tudo o que eu esperava fazer me graduando nele, quem faz é a enfermagem (sim medicina, eu estou olhando para você). Também me surpreendi com muitas coisas, desde a descoberta de não querer me especializar em saúde mental, como eu pensava que seria, até a de entender que alguns medos meus nem faziam sentido (tinha muita resistência a cuidar de pacientes do sexo masculino, principalmente por medo de assédio, e acabou que meu estágio preferido foi justamente o que fiz na clínica médica masculina). 


Ainda estou bem na dúvida se quero atuar na área hospitalar. Algo me diz que prefiro clínicas/UBS, mas ainda tenho muito para viver em diferentes áreas ao longo da graduação. Tenho me interessado muito pela área de saúde da mulher e obstetrícia, então espero ansiosa pelo estágio dessa matéria agora em 2022. Também estagiei em cirúrgica e acompanhei diversas cirurgias, e cheguei a conclusão que Grey's Anatomy mente muito, caso alguém aí ainda não saiba disso. A única parte ruim tem sido precisar voltar pra casa para ver aulas online a tarde, já que meu curso é em período integral, mas honestamente, estou muito feliz fazendo a parte prática. 


A Paçoca continuou sendo uma ótima companhia e a razão de muitas risadas aqui em casa. Ter um animalzinho mudou demais o meu jeito de viver e de enxergar algumas coisas. Aprendo muito sobre cuidado, afeto e responsabilidade com ela. Não consigo nem me lembrar de como era a vida há 3 anos quando ainda não a tínhamos. 


Durante minha quarentena os livros foram meu escape (de uma forma nada saudável, inclusive, o que impactou muito nas minhas leituras de 2021, que diminuíram). Como comprei vários enquanto ficava em casa desmotivada com a vida, a cômoda em que eu os deixava já não estava mais dando conta do serviço. Vendi um celular antigo e um secador de cabelo que não usava na minha lojinha do Enjoei e comprei uma estante de livros (essa história me faz rir um pouco).

Ter uma estante era um sonho de muitos anos. Sempre acompanhei muitos criadores de conteúdo literário, e por mais que se diga o contrário por aí, a gente sabe que eles são grandes estimuladores do consumo desenfreado, né? Ver aquelas estantes enormes e cheias de livros sempre mexeu com meu ponto fraco. Tenho menos livros do que eu realmente achava, já que a cômoda dava a sensação de estarem todos muito empilhados, mas estou muito feliz com a compra. Escolhi um modelo na loja Madesa, que além de barato, tem um material ótimo e é fácil de montar. Recomendo muito!


Com a vacinação voltei a sair de casa. Ainda não vou pra muitos lugares e recuso grande parte dos convites que recebo, porque apesar de vacinada, ainda não sinto como se "a minha parte já estivesse feita", mas revi alguns amigos e me permiti ver mais o mundo lá fora, já que o estrago mental do isolamento social de 2020 foi grande. 


Em Dezembro experimentei um Cinnamon Roll e achei que precisava compartilhar isso. Obrigada pela atenção. 


Acho que meu sumiço aqui do blog (um cantinho de quase 10 anos em que sempre me senti tão bem) e os poucos posts que fiz em 2021 mostram o quão mentalmente mal eu estava. Entender que eu precisava pedir ajuda foi muito difícil, principalmente para alguém que interrompeu o tratamento para ansiedade por conta própria depois de uma consulta horrível com uma psiquiatra, mas retomar a medicação e fazer terapia seriamente pela primeira vez na vida foram as melhores decisões que tomei por mim. Acho "engraçado" pensar que em 2020 escrevi muitos textos sobre saúde mental (primeiro, segundo, terceiro, quarto), quase como se esse fosse meu jeito de pedir ajuda indiretamente, mas só em 2021, com consecutivas crises de humor deprimido, fui aceitar que aquela não era minha personalidade e muito menos tinha só a ver com a pandemia. 

A pessoa que escreve aqui hoje não tem menos problemas do que minha versão passada (acho que tem até mais, na verdade rs), mas com certeza estou lidando melhor com tudo o que acontece, me abrindo mais a conhecer pessoas novas e a permitir que façam parte da minha vida, e até melhorando um pouco meu autocuidado e minha autoestima, que respiravam com a ajuda de aparelhos desde 2018. 

Não tenho esperanças de grandes melhoras em 2022. Bem pelo contrário, acho que vai ser um ano bem difícil, seja pela faculdade, pela impossibilidade de trabalhar por causa dela, pelo Burnout que minha mãe teve em agosto de 2021 e que segue a deixando em casa sem nenhum auxílio financeiro, como deveria, mas ao menos sendo tratada (não acho graça nenhuma nos milhares de memes que saíram nos últimos tempos com o tema, inclusive, porque só acompanhando de perto uma pessoa que tem a síndrome é possível ver o quanto ela afeta a saúde física e emocional), ou ainda pela mudança de casa que teremos que fazer agora em Janeiro (e que eu ficarei responsável pelo aluguel, e até que tudo se ajeite, por todo o resto \o/), mas percebo que 2021 me deu uma forma mais estável de lidar com tudo isso. Ainda não sabia como tudo o que realmente preciso está aqui, em mim, e o quanto sou capaz, mas fico feliz de ter feito essa descoberta nos últimos meses. 

Desejo chegar ao final de 2022 com essa mesma consciência. 

10 comentários

  1. que legal ler um pouco de como foi seu 2021! fico feliz que você tenha olhado pra si mesma com carinho novamente, espero que seja um processo contínuo a partir de agora (tenho tentado fazer o mesmo), tudo de bom pra tu, Tati :) feliz ano novoo

    ResponderExcluir
  2. Você conseguiu descrever 2021 tão bem.
    Foi exatamente essa a sensação, de querer colocar em ordem tudo o que 2020 fez.Foi um ano bem tenso, mas tive momentos bons.
    Também precisei lidar com minha ansiedade e as sessões de terapia foram intensas por aqui. Desejo e muito que 2022 seja mais leve, a gente merece <3

    ResponderExcluir
  3. ainda bem que existem os estágios! minha área é bem diferente da sua (direito), mas o estágio tem esse efeito mesmo, de nos mostrar na prática o dia a dia do profissional da área e nos ajudar a decidir o que realmente queremos. eu tava quase desistindo da faculdade, aí troquei de estágio e o amor voltou hahaha

    desejo melhoras para sua mãe, assuntos relacionados a doenças psicológicas são muito delicados e as pessoas não sabem lidar muito bem com isso ainda, euzinha gosto quando fazem memes (depende do meme), pq ajuda a tornar aquilo menos tabu e normaliza a situação

    bjssss
    Carol Justo | Justo Eu?!

    ResponderExcluir
  4. Tati, eu queria dizer que senti um quentinho no coração lendo o seu post ~ porque, apesar de todos os pesares e do quanto 2021 foi duro, senti que você soube fazer o melhor para você, soube enxergar maneiras de melhorar e de projetar coisas boas e isso é MARAVILHOSO. Que 2022 nos trate melhor! :)

    Beijo e Feliz Ano Novo!

    ResponderExcluir
  5. Tati,
    Parabéns pela coragem para pedir ajuda e voltar a terapia. Esse foi um risco que eu corri em 2021 após ter uma experiência horrível com um FDP de profissional em 2019. Por favor dá um kiss na Paçoca por mim. Num dou conta dela não, muito linda!!!

    Beijo!!!

    Lola Hurricane
    www.lolahurricane.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem? Que texto! Vc escreve muito bem, gosto de ler textos assim, que trazem coisas pessoais e ao mesmo tempo a gente consegue se identificar e refletir sobre a própria vida. Legal acompanhar um pouco sobre o que uma estudante de enfermagem faz. Por aqui eu tb sofro com problemas de saúde mental e sigo ignorando ajuda médica... acho que vai entrar na minha lista de metas pra 2022. Espero que sua mãe melhore e vcs consigam passar por esse desafio. E que 2022 seja um ano melhor pra todo mundo.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo o que veio de sequela da pandemia mudou bastante quase todo mundo, e eu fico feliz que você tenha se descoberto tanto nesse período. A vantagem da terapia não é acabar com os problemas, mas sim nos dar ferramentas para lidar melhor com eles, né?

    Espero que sua mãe fique bem e que vocês consigam cuidar de si e uma da outra!

    E ah, eu adoro cinnamon roll! E outra coisa, a Paçoca é uma fofa!
    Que 2022 seja um bom ano!

    ResponderExcluir
  8. Ai Tati, queria te dar um abraço. Mas pela distância (e pandemia), sinta-se virtualmente abraçada rs

    Nem sei por onde começar. O mais importante de tudo foi com certeza o cinammon roll, porque depois de provado, não tem mais volta haha

    Mas espero muito que você tenha encontrado um bom terapeuta. Eu tive a sorte de dar certo com a primeira. Mas imagino como deve ser, no mínimo, desanimador (estou tentando ser educada aqui) se abrir e a pessoa não te ouvir ou não te entender (o que dá na mesma).

    Te desejo um ótimo 2022. Com muitas surpresas boas e muitos cinammon rolls pra adoçar a sua vida ♥

    ResponderExcluir
  9. Vai ficar tudo bem, é dificil lidar com as consequencias das doenças, mas com ajuda conseguimos manter as coisas um pouco em ordem. Voce sera forte por voce e sua mãe!!!

    ResponderExcluir
  10. Quase 10 anos de bloguinho (como o meu) e eu não conhecia o limonada :/ haha Eu gosto muito de ler e fazer resuminhos. Esses últimos anos de pandemia não tem sido fácil mesmo. Eu também me sinto super desconfortável em locais mais cheios e evito sempre que posso.
    Tratar da nossa saúde mental é sempre importante, ainda mais em tempos como esse! Que bom que está se sentindo melhor. Desejo melhoras pra sua mãe.
    Beijos

    ResponderExcluir

▫ Spam não são publicados;
▫ Costumo responder todos os comentários no blog de quem os faz, se você estiver em anônimo, volte ao post em que comentou que responderei no mesmo;
▫ Obrigada por visitar! ❤