11 setembro 2020

A Million Little Things: a importância de se falar sobre suicídio de forma responsável na TV



A Million Little Things, série que no Brasil está inclusa no serviço de assinatura da GloboPlay, é uma produção da ABC Studios de 2018, criada por DJ Nash. O enredo, desde o primeiro episódio, gira em torno de um tema que mesmo com as constantes tentativas de torná-lo mais discutido pela população, ainda é camuflado por medos e pré-conceitos: o suicídio. 

Atualmente na segunda temporada, com renovação para a terceira já confirmada, a série de drama leve, além de tocar onde quase ninguém tem coragem, consegue o fazer de forma muito responsável. Nela, conhecemos um grupo de amigos que se uniu por acaso, e que agora precisa lidar com a grande perda de um dos seus membros após sua morte inesperada. Além disso, cada personagem tem seus problemas pessoais aprofundados ao longo dos episódios, o que torna a série muito real.

Se algumas produções que retratam o tema costumam falhar ao colocá-lo como única possibilidade de melhora para quem está em sofrimento, A Million Little Things não têm o mesmo problema. Enquanto o primeiro episódio se inicia com a possibilidade de um dos protagonistas optar pelo suicídio, seu término, com a consumação do ato por outro personagem, leva o primeiro a não realiza-lo ao receber a noticia, e a, por fim, comunicar as pessoas próximas sobre como tem se sentido, e, no decorrer da série, buscar ajuda adequada de profissionais. 

Frequentemente comparada a This is Us, da NBC, pela grande presença de carga emocional, a série da ABC é tão boa quanto sua concorrente, assumindo o papel de conscientizadora sobre assuntos não retratados na outra. Alguns exemplos disso: 


A luta contra o câncer. 


Maggie Bloom, interpretada pela atriz Alisson Miller, é incluída no enredo ao conhecer Gary Mendez (James Roday Rodriguez), em um grupo de apoio a pacientes em remissão do câncer de mama. Em um primeiro momento a personagem, que posteriormente torna-se par romântico de Gary, tem com ele um atrito, por não entender a razão para um homem estar naquele grupo, sentindo-se desrespeitada. É quando Gary esclarece: homens também possuem câncer de mama, e ele, assim como todas as mulheres presentes, está em remissão do seu. Ao retratar a doença, a série não torna seus personagens apenas pacientes de um grave diagnóstico, demonstrando seus medos e desistências por ela influenciados, mas também como continuam a vida apesar dela, abrindo-se a novas oportunidades de emprego, amizades e relacionamentos amorosos. Ponto importante, tanto para aqueles em tratamento ou em remissão, a série também pontua de forma excelente a importância de um grupo de apoio, seja ele qual for, para aqueles que se encontram abalados com a notícia. 


A depressão e a masculinidade tóxica. 


Rome Howard (Romany Malco) é um homem negro incapaz de falar sobre seus sentimentos e sua depressão. A série investe no tema abordando sua infância e relação com o pai, que desde cedo o incentivou a pressupor que a masculinidade envolve, entre muitas outras coisas, a suspensão de suas emoções, e que por seu histórico de trabalhador, vê na depressão uma desculpa de pessoas pouco motivadas ou, como costuma dizer, "uma doença que brancos ricos possuem". Buscar ajuda para o que sente, falar a respeito com sua esposa e, explicar para seu próprio pai como vem se sentindo, são os principais assuntos aliados ao personagem. Além disso, Rome continuamente aborda o racismo e a dificuldade do homem preto em expressar-se dentro de uma sociedade que mal o aceita.


A retratação da bebida alcoólica como um vício. 


Eddie Salive, personagem do ator David Giuntoli, é um músico afastado dos palcos após seu história de problemas com o álcool. Sóbrio, já casado e com um filho pequeno, Eddie está anos a frente de seu tratamento, e mesmo assim, constantemente apresenta a dificuldade de manter-se longe do vício, tão presente em comemorações e tão fácil de tornar-se um escape para situações dolorosas. Assim como com Maggie e Gary, o grupo de amigos é uma ótima fonte de apoio, sempre respeitando a presença de Eddie ao não incluir bebidas em suas reuniões e ao mesmo tempo, observando-o cuidadosamente para que não volte ao antigo hábito.


A mulher como chefe de família. 


Casada com Eddie, Katherine  Saville (Grace Park) é a principal responsável pelo sustento da família. Sua personagem, encarada como uma mulher forte e emocionalmente fechada no inicio da série, é a retratação fiel da mulher que trabalha, cuida do filho, da casa, e sofre com o distanciamento do marido que não a entende por completo. 


A maternidade aliada a perda do cônjuge. 


Delilah Dixon (Stephanie Szostak), é a viúva do já citado personagem que falece no primeiro episódio (mas que está sempre incluso na série nas memórias encenadas). Com dois filhos adolescentes, Delilah precisa lidar com a perda do marido e a confortar os filhos ao mesmo tempo em que lida com sua própria dor. Além disso, o enredo explora Delilah como, acima de tais características, uma mulher ainda em idade ativa, com desejos e sonhos a realizar. 


A rede de apoio  — que também precisa dele. 



Regina Howard, na vida real, Christina Moses, interpreta a esposa de Rome. É ela sua principal fonte de apoio ao longo da problemática que o envolve, mas é também dela o papel de demonstrar que ser uma rede apoio não significa não precisar de uma. 

Nas duas temporadas já gravadas são muitos os outros bons pontos levantados pela série, e citá-los aqui seria tornar a experiência de assisti-la menos enriquecedora. A Million Little Things é atual, e ao mesmo tempo que dramática por demonstrar a vida como ela realmente é, leve e bem-humorada em não resumi-la a apenas isso. 

2 comentários

  1. Oi <3 tudo bom? Eu não conhecia a série mas me despertou muito o interesse, os personagens parecem ser bem desenvolvidos e retratados. Fiquei curiosa ><

    Beijo, Amanda!

    ResponderExcluir
  2. Eu amei a dica e fiquei muito curiosa, pq fico enfurecida com a romantização do suicídio na mídia (ainda mais trabalhando com isso diariamente e ouvindo coisas tipo "eu sei como fazer pq assisti 13 reasons why". Menine, o ódio...!!!!)
    Vou colocar na minha lista! Nem estou surpresa por não ter ouvido falar de uma série que fale sobre a dor humana, as pessoas odeiam encarar né non? Hahaha! Beixos Tati!

    ResponderExcluir

-Spam não são publicados.
-Costumo responder todos os comentários no blog de quem os faz, se você estiver em anônimo, volte ao post em que comentou que responderei no mesmo.
-Obrigada por visitar <3

© Limonada
Maira Gall